Conheça os dez projetos finalistas

Este ano o Programa recebeu 117 candidaturas, provenientes das mais variadas entidades da economia social. Todos os projetos mereceram a atenta avaliação do Júri que, com base nos critérios previstos no regulamento, teve a difícil tarefa de selecionar as dez organizações que participarão na fase seguinte do Programa - o processo de capacitação que lhes permitirá demonstrar o impacto social das suas intervenções.

As dez instituições escolhidas são:


  1. Associação Alzheimer Portugal, com o projeto “Cuidar Melhor”;

  2. CRESAÇOR – Cooperativa Regional de Economia Solidária, com o projeto “Açores+: Promoção da Economia Solidária”;

  3. Cruz Vermelha Portuguesa, com o projeto “Estado Puro”;

  4. Cruz Vermelha Portuguesa – Delegação de Fafe, com o projeto “Família + Feliz”;

  5. EAPN Portugal, com o projeto “Click-ativar competências de empregabilidade”;

  6. Espaço t – Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária, com o projeto “Palcos Para a Inclusão”;

  7. FISOOT - Cooperativa de Solidariedade Social, com o projeto “Mãos à Obra”;

  8. Raríssimas – Associação Nacional de Deficiências Mentais e Raras, com o projeto “Mães de Sucesso – Motivar, Apoiar e Empoderar – Sempre”;

  9. Silêncio Sonoro - Associação Cultural e Juvenil, com o projeto “Experiencing Azores”;

  10. Via Hominis - CRL, com o projeto “Snoezelen-idosos”.

Os Promotores do Programa agradecem a participação, nesta 2ª edição, das mais de 100 entidades que, dos mais variados pontos do País, apresentaram projetos interessantes e inovadores.

Ideias que contam

O Programa Impacto Social apoia entidades da economia social para que analisem e apresentem o potencial de impacto dos seus projetos, demonstrando, assim, o retorno do investimento efetuado.

O Programa Impacto Social desenrola-se em dois momentos. Na Prototipagem (26 de fevereiro a 23 de junho), as equipas selecionadas recebem formação e mentoria para criar protótipos de impacto social dos seus projetos, usando a metodologia de análise SROI – Social Return on Investment.

Em seguida, os projetos apresentam o potencial de impacto calculado perante um painel de potenciais parceiros e investidores, na Conferência Internacional Impacto Social(30 de junho). Após a conferência, o Programa dinamiza uma Comunidade IS online, para partilha de ideias e recursos.

Demonstrar o valor

SROI – Social Return on Investment é um processo de compreender, medir e reportar o valor social gerado pela intervenção de uma organização. Compara o valor gerado (benefícios) com a despesa necessária (investimento) para obtê-lo.

O cálculo do custo-benefício - o rácio SROI - é apenas o ponto de chegada de um processo que exige à organização capacidade para compreender todas as componentes da criação de valor social. A análise SROI percorre 6 etapas:

Promotores



A Cooperativa António Sérgio para a Economia Social assenta numa parceria efetiva entre o Estado e organizações representativas do setor da economia social, tem como grandes linhas de atuação promover o reconhecimento, dinamizar, fortalecer e qualificar o setor da economia social em prol do desenvolvimento socioeconómico do país. O Programa Impacto Social enquadra-se nos objetivos estratégicos da CASES, através do desenvolvimento de programas que visam estimular a modernização e a capacitação do setor da economia social.


A Fundação Montepio é uma instituição particular de solidariedade social que integra o Grupo Montepio e tem como missão promover a Economia Social através do estabelecimento de relações de parceria com a comunidade envolvente, identificando e promovendo boas práticas de intervenção social. Através do Programa Impacto Social, a Fundação Montepio pretende contribuir para a qualificação das organizações, dirigentes e quadros da Economia Social, dando cumprimento à sua missão e às suas Linhas de Orientação Estratégica.


IMPLEMENTAÇÃO:



A 4Change é uma consultora em gestão do impacto social. Disponibiliza serviços de avaliação e monitorização, gestão de projetos e comunicação, para apoiar na seleção, acompanhamento e avaliação das intervenções com maior valor social acrescentado. Acreditamos na colaboração para criar valor social, através do uso partilhado de recursos, processos, linguagens e métricas.